segunda-feira, 29 de junho de 2015

Músico com Síndrome de Down Prepara-se para Gravar Primeiro Disco

Descrição da imagem #PraCegoVer: fotografia de Dudu. Ele veste blusa preta, tem o cabelo liso com a franja sobre a testa e barba por fazer. Ele está sorrindo e segura seu cavaco nos ombros. Sobre a imagem, está escrito Dudu do Cavaco, músico que já se apresentou com Jota Quest, Monobloco e tocou para nomes como Chico Buarque e Hamilton de Holanda, prepara-se para gravar o primeiro CD com a banda da qual é lider e que leva seu nome.




No início da carreira, foi rejeitado em 17 escolas porque tem síndrome de Down, mas hoje mostra que tem talento e força de vontade para realizar seus sonhos. Um deles? Tocar ao lado de Roberto Carlos.

Alguém duvida que ele vá conseguir?



Estatuto da Pessoa Com Deficiência - #SancionaDilma!


Galera! Vamos pressionar a presidenta para sancionar na íntegra o Estatuto da Pessoa com Deficiência - Lei Brasileira de Inclusão! A lei é um marco para uma sociedade que se prepara para conviver em igualdade com as pessoas com deficiência. A ideia é eliminar barreiras em várias partes da vida cotidiana: educação, cultura, esporte, mercado de trabalho, moradia e mobilidade.

Vamos pressionar! #LBI #SancionaDilma!

Descrição da Imagem #PraCegoVer : sobre um fundo branco, há o desenho de um mapa do Brasil formado por engrenagens. Há três símbolos de pessoas com deficiência. Um de uma pessoa com bengala, outro com uma pessoa com cadeira de rodas e outro de mãos em sinais de LIBRAS. Sobre a imagem, está escrito "Lei Brasileira de Inclusão. Para eliminar as barreiras das pessoas com deficiência. Sanciona, Dilma!"

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Transporte especial agiliza movimentação de órgãos para transplantes PDF Imprimir

Tbanner transplante siteDuas novidades vão agilizar a movimentação de órgãos e tecidos para a realização dos transplantes no Ceará. A primeira é o transporte terrestre de córneas e sangue doados na macrorregião Norte em qualquer dia e horário através de cooperação técnica que a Central de Transplantes do Estado fechou esta semana com a Expresso Guanabara. A outra novidade é que a Secretaria da Saúde do Estado adquiriu um veículo especial para a Central de Transplantes movimentar com mais rapidez, na capital, as caixas térmicas com órgãos captados para transplantes.

O veículo adquirido com recursos do governo do Estado, devidamente identificado com o nome Central de Transplantes nas laterais e com a logomarca do Governo do Estado, está liberada para livre circulação porque conduz órgãos para transplantes e para salvar vidas. Semelhante a uma ambulância, o transporte especial tem sirene e intermitente. Os condutores farão curso no próximo dia 6 de julho. Ficarão preparados para o trabalho de direção de transporte diferenciado, com a missão especial de contribuir para salvar vidas. O trabalho é 24 horas porque a Central de Transplantes não fecha nunca. Nem nos finais de semana nem nos feriados.

O transporte gratuito de córneas e de sangue de Sobral para Fortaleza e de Fortaleza para Sobral já está liberado. A Santa Casa em Sobral faz captação e realiza transplantes de córneas. Todas as córneas, independemente de onde foram captadas, são trazidas para o Hospital Geral de Fortaleza (HGF), onde no Banco de Olhos são processadas. Este ano, até o dia 24 de junho, foram realizados 348 transplantes de córneas no Ceará. Em todo o ano passado foram realizados 786 transplantes de córneas no Estado. Além do HGF e da Santa Casa, em Sobral, outros 13 hospitais e clínicas fazem transplantes de córneas pelo Sistema Único de Saúde. Na Santa Casa, em Sobral, no ano de 2014 o total de doadores chegou a 20 e de transplantes somou 32. Neste ano o número de doadores está em 18 e o número de transplantes feitos soma 17.

24.06.2015

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Giselle Dutra
Gestora de Célula / Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br  / (85) 3466.4898

Fonte: Governo do Estado do Ceará

Motorista é surpreendido ao parar em vaga de deficiente


Um grupo de comédia ‘envelopou o carro’ com o símbolo internacional de portadores de deficiência...

(foto: Plantão 190)
Uma situação inusitada foi registrada nesta quarta-feira (24), quando um motorista deixou seu carro na vaga para portadores de necessidade especial na Avenida Brasil esquina com a Rua São Paulo no centro de Maringá, Região Norte do Paraná. O maringaense despreocupado foi pagar umas contas e quando voltou viu que tinha algo bem diferente em seu veículo, um Fiat Palio de cor vermelha. O grupo de comédia Boom usou um material de cor azul e com o símbolo internacional de portadores de deficiência, envelopando todo o veículo. Ainda para piorar a situação do motorista, um agente de trânsito da Setran passou pelo local e notificou o condutor do automóvel que não tinha autorização para estacionar na vaga especial. Dezenas de pessoas vaiaram a atitude do motorista que ligou o veículo e saiu em alta velocidade.

Fonte: CGN
Com informações Bem Paraná.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Adaptação de Veículos para Deficientes Pode Ficar Mais Barata


Acessórios para adaptar veículos a pessoas com deficiência podem ter isenção de Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI). A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou hoje um projeto de lei (PLS 257/2013) que concede o benefício.
Pela proposta, ficam isentos do IPI os elevadores que auxiliam as pessoas a entrarem em veículos, plataformas de elevação para cadeira de rodas, rampas para cadeiras de rodas, guinchos para transporte, bancos móveis e outros equipamentos necessários à adaptação de motoristas.
Atualmente, apenas os veículos, sem a adaptação, possuem isenção de IPI. Já os acessórios que precisam ser instalados depois, têm alto custo. Só a rampa elevatória automatizada custa em torno de R$ 28 mil. O tributo contribui para elevar o preço desses produtos.
Como foi aprovado de forma terminativa na comissão, o projeto segue para a Câmara dos Deputados se não houver recurso para votação em Plenário.
Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: Sobre o fundo amarelo, há uma ilustração de uma pessoa com cadeira de rodas, uma chave de fendas e um carro. Sobre a imagem, está escrito "Pessoas com deficiência poderão ter isenções para adaptar veículos".


sexta-feira, 19 de junho de 2015

19 de Junho - Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falsiforme

Hoje é o Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme. A data estabelecida pela Organização das Nações Unidas serve para alertar sobre a doença hereditária, que é caracterizada pela alteração do glóbulo vermelho do sangue.
Dados do Ministério da Saúde apontam que 3.500 crianças nascem com a doença por ano do Brasil e cerca de 200 mil têm o “traço falciforme”, que possuem o gene da doença e não os sintomas. Os sintomas são anemia crônica, icterícia, inchaço nos punhos e tornozelos e crises dolorosas.
O diagnóstico precoce é essencial para amenizar os sintomas e um detalhe importante: a doença pode ser diagnosticada nos primeiros dias de vida com o teste do pezinho.

Descrição da imagem ‪#‎pracegover‬:
Um imagem em preto-branco exibe os pés de uma bebê apoiado sobre a mão de um adulto.
Ao lado, está escrito: 19 de junho
Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme



6x0!

A Seleção Brasileira de Futebol de 7 goleou a Escócia no jogo de estreia da Copa do Mundo. A modalidade é disputada por atletas com paralisia cerebral, de acordo com as normas do comitê paralímpico. Parabéns, galera! Honraram a nossa torcida! Eles jogam novamente hoje, às 13h, contra a Venezuela. As partidas são transmitidas aqui

 Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: fotografia de três jogadores. Eles estão com blusas amarelas da Seleção e short azul. O do meio está sorrindo e com o braço levantado para cima. Ele sorri. Sobre a imagem, está escrito "6X0. Brasil goleia a Escócia na Copa do Mundo de Futebol de 7".

quarta-feira, 17 de junho de 2015

O gosto ácido da discriminação





Parte importante das pessoas acredita que ter uma deficiência, ser meio torto das partes ou dos sentidos, impõe ao “serumano” sofrimento constante, peso de viver e uma tristeza do jeca. Imporia também chateações pela privação daquilo que não se pode fazer como correr atrás do gato no quintal ou ver nuvens em formatos de coração no céu.

Como membro da trupe dos “quebrados”, digo com tranquilidade que o maior desafio de conviver com limitações físicas ou dos sentidos passa longe disso tudo e bem perto dos obstáculos que a ignorância, o preconceito e o desconhecimento de causa criam em torno de uma condição “mal-acabada”.

Com frequência, tenho de sofrer com ácido no estômago devido a questionamentos puramente discriminatórios sobre minhas capacidades, habilidades e disposição para viver como qualquer outro cidadão.

A última aconteceu durante meu atrevimento de querer comprar uma casa um pouquinho maior para abrigar a “famiage”, com se diz lá na minha terra. Fui ao banco (Citi) pedir um crédito imobiliário, preenchi dezenas de papéis, apresentei documentos, provei que sou quebrador de pedra e trabalho de sol a sol, igual a todo o mundo.

Dias depois, a resposta da agência, traduzida em meu dialeto: “Seu Jairim, de modos que o sr. tenha se declarado aleijado, a seguradora (SulAmérica Seguros) exige que, para seguir com o seu processo, seja apresentado um laudo médico em que esteja provado que o seu dodói não tenha repercussões em sua vida e que você ainda presta para alguma coisa”.

A partir do momento em que uma pessoa com deficiência precisa provar que não é doente, algo de muito errado sobre as diferenças ainda corre por veias preconceituosas de alguns setores sociais. Ser cadeirante, ser surdo, ser cego é condição humana, não um martírio pelo qual se precisa responder durante toda a existência. Tudo isso, nas barbas da aprovação da Lei Brasileira de Inclusão, no Congresso.

Perguntei à seguradora a razão de uma atitude tão frontalmente contrária a tudo o que se debate sobre direitos de igualdade de oportunidade. A resposta: “As solicitações de declaração de saúde e de informações complementares estão previstas na resolução nº 205/2009 e na circular nº. 251/2004 da Susep (Superintendência de Seguros Privados). Os procedimentos são comuns a diversas modalidades de apólice, existindo para os casos em que há apontamento espontâneo de intercorrência prévia física ou de saúde e não se aplicando exclusivamente a pessoas com deficiência.” A Susep, uma autarquia do governo, não se manifestou.

Nunca a deficiência foi argumento para que eu não pagasse Imposto de Renda ou tarifas bancárias, mas, quando necessito de um suporte financeiro, como qualquer outro comedor de arroz com feijão deste país, tenho de comprovar que algo que me acometeu há quase 40 anos não me fere, hoje, o poder de ter “crédito na praça”.

Não sou de “chororô” e este espaço não é para contemplar demandas pessoais, mas afrontas desse tipo são plurais e corriqueiras no Brasil. Acontecem, com maior ou menor dimensão justamente por serem deixadas quietas, por serem sempre vencidas pelas dificuldades de entendimento e por não serem amparadas pelo bom senso, pela dignidade e pela cidadania.

Fonte: FOLHA DE SÃO PAULO

terça-feira, 16 de junho de 2015

Inglaterra É Palco do Mundial de Futebol de 7


Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: fotografia de um grupo de atletas em grupo. Eles vestem blusa amarela e short azul. Atrás da camiseta está escrito A partir de hoje, 14 atletas se encontram
na tentativa de realizar um sonho:
vencer a Copa do Mundo de Futebol de 7,
que acontece até 28 de junho na Inglaterra.
A modalidade é disputada por pessoas com
paralisia cerebral, de acordo com as normas
do comitê paralímpico. Dezesseis seleções
participam do torneio.
O grupo está concentrado e estreia dia 17, contra a Escócia.

Fonte: Romário - Via Facebook

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Cabeleireiro Atende Pessoas com Deficiência em Salão Itinerante

Após ouvir a demanda de um cliente cadeirante que tentava ir ao salão de beleza mas tinha dificuldades por causa da acessibilidade, José Valente resolveu fazer um salão itinerante, com foco nas pessoas com deficiência.
A van adaptada tem todos os equipamentos de um salão e percorre as cidades do Distrito Federal. Ele garante que tem mais lucro hoje do que na época que trabalhava em um salão fixo e conta que criou uma relação de amizade e confiança com os clientes.
Não temos dúvida de que o salão é muito útio às pessoas que têm problemas de mobilidade. Porém, em uma sociedade verdadeiraente inclusiva, todos conseguem ir e vir para realizar tarefas simples, coo cortar o cabelo. E ter ruas e espaços adaptados é essencial.