quarta-feira, 13 de julho de 2016

Curiosidade e delicadeza






Em uma entrevista histórica conduzida por Clarice Lispector com o gênio Vinicius de Moraes, em 1979, o poeta surpreende o ritmo da conversa soltando a frase:”Tenho tanta ternura pela sua mão queimada”.

O que poderia ser oportunidade para sanar uma curiosidade ou alguma inquietação sobre as marcas da escritora, que anos antes havia se ferido em várias partes do corpo durante um incêndio em seu apartamento, tornou-se delicadeza e lirismo.

Poucos nascem com o espírito da leveza do poetinha, mas tentar ser menos cruel com aqueles que se apresentam curiosos, exóticos ou feios aos olhos da normalidade contribui de maneira determinante para encorajar o dia seguinte.

Quem mais se prejudica com o fuzilamento do olho torto, do olho inquieto à procura do defeito, do malfeito, do “malacabado” é a criança. Nenhum pequeno quer ser protagonista de suas deformidades ou diferenças em um tempo cuja preocupação deveria ser o brincar, o aprender as cores do arco-íris e a compreender que estar vivo é “maraviwonderful”.

A questão não é somente evitar a mirada inconveniente para aquele menino com uma síndrome rara e de aparência inusitada. O que tem potencial de construir positivamente cidadania diante da diversidade é a compreensão após a mera curiosidade. Mais do que educado, o olhar precisa ser ampliado, sofisticado, evoluído.

Esse processo começa, inclusive, dentro de casa, com pais, mães, irmãos e agregados deixando as perturbações do que parece estranho em seu ente querido para dar espaço ao que se entende por força de família: o amor acima de qualquer coisa, o encorajamento para enfrentar a rua, o apoio incondicional para se afirmar diante de seu ineditismo potencialmente desconcertante.

Uma experiência concreta disso está narrada na ótima obra recém-lançada da cantora Olívia Byington, “O Que é Que Ele Tem”, em que conta a trajetória de dores e conquistas de ter um filho –João, hoje com 35 anos– nascido longe do lugar-comum do bebê fofo e encantador e que cresceu guardando uma aparência incomum.

Penso ser legítimo perguntar a razão de um menino ir à escola levando um respirador ou por que a menina tem a pele escamosa, mas sanar a dúvida e acalmar a ânsia imaginativa não pode se esgotar em si só. Como se brinca com esses meninos? Como posso ser amigo deles? O que eles podem me ensinar e o que podem aprender?

Geralmente, experimenta-se apenas a curiosidade, seguida de um afastamento aterrador e doloroso, quando não a exposição do puro sabor do preconceito, o que forma adultos angustiados, temerosos, refugiados em si mesmos.

A humanidade sabe ser cruel para defender a imobilidade de sua representação tida como mais bonitinha: branca, elegante, esguia, completa fisicamente, absolutamente incompleta em caráter.

Mas o tempo em que o “anormal” vai ocupar seus espaços como o “novo normal”, mesmo que seja à custa de muito embaraço e incompreensão, está chegando e se instalando em vários campos sociais –se não houver esse movimento perto de você, preocupe-se, pois seu mundo parou! Ganha mais quem acolhe, compreende e poetiza a diversidade.

terça-feira, 5 de julho de 2016

Xbox vai permitir criar avatar cadeirante


Phil Spencer, da Microsoft, revelou que em breve os jogadores poderão criar avatares cadeirantes para o Xbox Live. O executivo anunciou no Twitter a o novo recurso de representatividade.
Logo após Mike Yabarra, diretor de Gestão de Programas do Xbox, postou uma imagem na mesma rede mostrando como os avatares ficariam.
Alguns sites, como o Yahoo e o Second Life, já permitiam a criação de avatares cadeirantes. Ainda assim, é importante a preocupação da Microsoft em trazer essa representatividade também para o mundo dos games.

Os executivos da marca não informaram quando a atualização estará disponível para todos os usuários, mas acredita-se que algumas mudanças possam surgir em agosto com o lançamento do Xbox One S.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

SER CEGO ( Por Silvio Souza*)



Todos dizem que sou cego
Pois me vêem tatear
Mas nem sabem quanto “enxergo”
Do que não posso contar

Algumas coisas não “vejo”
Isso não posso negar
Mas aproveitando o ensejo
Convém agora explicar:

Que pena, não vejo o sol
Se esconder no horizonte
Que encanta com o arrebol
Ou surge por trás do monte

Não vejo as tão belas rosas
Que me dariam prazer
E as muitas coisas penosas
Até prefiro não ver

Não vejo a poluição
No céu cinzento e sem brilho
Nem o rosto de aflição
Da mãe a chorar seu filho

E as cenas da violência
Por muitos apreciadas
Mostradas com insistência
Que bom que não vejo nada

Mas vejo a sinceridade
Do amigo mais que um irmão
Numa pequena bondade
Com olhos do coração.


*Silvio Souza
Poeta da Casa do Poeta Lampião de Gás de São Paulo
Registrado no EDA - Escritório de Direitos Autorais
Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro – RJ
silviofadesouza@gmail.com

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Alunos do ITA desenvolvem tablet adaptado para deficientes visuais


Textos poderão ser sentidos por meio da leitura em braile.
Previsão é que o tablet tenha preço acessível em torno de R$ 600.

Dois estudantes do Instituto Tecnológico Aeronáutico (ITA) de São José dos Campos (SP) estão desenvolvendo um tablet adaptado para deficientes visuais. A ideia dos alunos é que o aparelho tenha preço acessível na comparação com outras opções do mercado.
“A principal funcionalidade vai ser o digital e a partir dele vamos implementar para conseguir estruturar  coisas em cima dele”, explicou o estudante de engenharia da computação Fábio Martins Fernandes, um dos criadores do projeto.
Um tablet de mercado para deficientes custa em média R$ 10 mil. A expectativa é que este seja fabricado com valores mais acessíveis, em torno de R$ 600. O aparelho está na fase final do desenvolvimento e deve começar a ser vendido ainda neste ano.
O projeto pode ajudar pessoas como a Vitória Mayuki, 12 anos, que é cega. Ela tem a ajuda da estagiária de pedagogia Sandra de Fátima para estudar no mesmo ritmo dos outros alunos.

“Eu sou escrevente, sempre estou escrevendo, perguntando se ela entende, se não entende, ela me questiona, questiona também os professores. Quando ela não entende, eu procuro tentar entrar no mundo dela, com os auxílios que eu tenho ao meu redor pra fazer com que ela possa entender", disse a estagiária.
Por causa da deficiência, Vitória aprendeu a transformar as letras que enxergamos em letras que os cegos sentem, no toque dos dedos. Além de ler, ela escreve na maquininha que produz textos em braile. “Mas uma vez, no celular tentei pesquisar o que é dengue, desativei a voz deixei a tela toda escura", disse Vitória - que com o tablet dos alunos espera poder navegar na web.





sábado, 21 de maio de 2016

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Pessoas com deficiência poderão contar com leitores ou transcritores durante o ENEM

ATENÇÃO!!

Por favor ajudem a divulgar que na prova do ENEM 2016, os candidatos cegos, com baixa visão, autistas, que possuam outras deficiências que impossibilitem ou dificultem a escrita ou leitura tais como derrame, deficiência física, amputados  podem solicitar o Ledor ou Transcritor que acompanhará durante a aplicação da prova. Lendo e transcrevendo a prova. Mas é necessário solicitar na inscrição e ter laudos médicos comprovando....

As inscrições se encerram a meia noite do dia 20/5, horário de Brasília.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Projeto de lei cria o Programa Museu Sensorial para adaptar obras de arte para pessoas com deficiências

O Projeto de Lei (PL 503) visa criar o Programa Museu Sensorial, que tem como objetivo adaptar obras do acervo museológico para a inclusão de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Dados de uma plataforma online, onde o cidadão pode opinar sobre o projeto de lei, mostram que 90% dos internautas se mostraram a favor da iniciativa e a consideram relevante. Segundo a internauta Camila Santos, a “arte deveria ser de fato para todos”.

O Programa terá coordenação da Secretaria de Cultura, que disporá, dentro da sua área de atuação, a escolha da obra adaptada em relevo a serem expostas.

Segundo o vereador Ari Friedenbach, autor do PL, existem mais de 13 mil deficientes visuais no município de São Paulo. A ideia é não só oferecer uma acessibilidade para os deficientes visuais, mas também apresentar uma nova “visão” para as pessoas normovisual possibilitando uma experiência incrível, aguçando os outros quatros sentidos.