terça-feira, 16 de agosto de 2016

4ª Romaria “Em Atenção às Pessoas com Deficiência”


CONVITE

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO
PASTORAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
DIOCESE DE APARECIDA
SANTUÁRIO NACIONAL DE APARECIDA

Caro amigo(ª).
Paz e Bem!!

É com alegria que vimos até você, para convidá-lo(ª) a participar da 4ª Romaria “Em Atenção às Pessoas com Deficiência”, que acontecerá no dia 17 de setembro de 2016.
Na ocasião, às 16:00, na Basílica Nacional de Aparecida, será celebrada missa em “Ação de Graças”, pelo Dia Nacional de luta das Pessoas com Deficiência, comemorado no dia 21 do mesmo mês e os 10 anos da Campanha da Fraternidade de 2006, que teve como tema: “Fraternidade e Pessoas com Deficiência” e o lema “Levanta-te e vem para o meio”. (Marcos 3/3).

A celebração contará com recursos de acessibilidade, como:
- acessibilidade arquitetônica;
- Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras);
- Folhetos em braile e em letra ampliada;
- Áudio-descrição (levar receptor de FM / celular ou similar e fones de ouvido).

Para quem não é de São Paulo, programe-se para compartilhar conosco, desse momento singular.

PROGRAMAÇÃO

Às 14:00, haverá um momento de oração e reflexão, conduzido pelo Padre José Valdir, pessoa cega, da Diocese de São José dos Campos.
Às 15:00, todos deverão se dirigir em procissão, ao Santuário Nacional, para acompanharem a celebração, que terá início às 16:00.
Sem mais, nos despedimos e aguardamos sua presença.

Abraço fraterno e a Paz de Jesus!!

Pastoral das Pessoas com Deficiência


SERVIÇO:
ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO
PASTORAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
DIOCESE DE APARECIDA
SANTUÁRIO NACIONAL DE APARECIDA
INFORMAÇÕES:
E-mail: pastoral.pcd.sp@gmail.com
Tel.: (11) 2888-8866

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

10 filmes que abordam a inclusão de pessoas com deficiência


Para garantir a efetiva inclusão de crianças e adultos, é necessário que as deficiências sejam lidas em um contexto de diversidade, assumindo que todos temos perfis e necessidades específicas e aprendemos cada um a nossa maneira.

Para contribuir com essa reflexão, o Centro de Referências em Educação Integral selecionou filmes que têm como tema a inclusão de pessoas com diferentes tipos de deficiência. As obras podem ser um excelente disparador para debater, em sala de aula e também em família, a necessidade da construção de uma sociedade inclusiva.

Veja abaixo aqueles que tem classificação livre e podem ser visto pelas crianças.

Aqui você confere a lista completa

Cordas (2014)

O curta animado “Cordas” narra a amizade entre Maria, uma garotinha muito especial e Nicolás, seu novo colega de classe, que sofre de paralisia cerebral. A pequena, vendo algumas das impossibilidades do amigo, não desiste e faz de tudo para que ele se divirta e consiga brincar. Reconfigurando e recriando jogos e atividades, Maria celebra a vida do colega, aprende ao passo que ensina e emociona a todos – inclusive os espectadores -, com as possibilidades do sonho e de uma amizade verdadeira. Ao final, uma surpresa especial, que lembra a todos da importância do educar e da relação que se estabelece no ensino e aprendizagem.

Trailer no YouTube


Sempre amigos (1998)

O filme relata a parceria, a amizade e as dificuldades enfrentadas por dois garotos: Kevin, extremamente inteligente, sofre de uma doença degenerativa e, por conta disso, acaba ficando isolado do convívio social, e vivendo mais no mundo da imaginação; e Max, um gigante de 13 anos, que não tem o desenvolvimento esperado na escola e por conta disso é discriminado no ambiente pelos colegas. Quando os dois se encontram, uma bela amizade nasce e com ela uma relação de inteligência e força, como um contraponto às injustiças cometidas nas demais relações de convivência.


Uma lição de amor (2001)

O filme conta a história de Sam Dawson, um homem com deficiência mental que tem uma filha Lucy que, quando completa 7 anos, começa a ultrapassar intelectualmente seu pai. Uma assistente social ao ver a situação quer tirar a guarda internando Lucy em um orfanato. A situação se transforma em um briga jurídica em que se discute o papel do pai e se pessoas com limitações intelectuais como Sam podem ser responsáveis por crianças.

Trailer no YouTube


A pessoa é para o que nasce (2002)

Documentário relata a história de três irmãs cegas de Campina Grande, Maria das Neves, Regina Barbosa e Francisca da Conceição. A narrativa mostra a leitura de mundo das mulheres e a dedicação do trio à música.

Trailer no YouTube




Janela da Alma (2001)

No documentário, 19 pessoas dão seus relatos de como lidam com a deficiência visual. As histórias acabam abordando o olhar de uma forma mais sensível e menos ligada diretamente com o espectro exterior, sugerindo que a sociedade em geral, mesmo com a possibilidade de ver, deixou de enxergar o que é visível aos olhos.



Amy uma vida pelas crianças

Após a morte de seu filho, Amy deixa seu marido para se tornar professora em uma escola para crianças deficientes. Descobrindo uma nova razão para viver, ela se dedica a ensinar crianças surdas a falar, ao mesmo tempo em que elas o ensinam o verdadeiro sentido do amor.










quarta-feira, 27 de julho de 2016

Ao conduzir tocha artificialmente em pé, Lais Souza ignora quem vive sentado


Cadeirante, ex-ginasta Lais Souza conduz tocha olímpica de péNão entendi a razão de a ex-ginasta Lais Souza ter usado para conduzir a tocha olímpica em um dos momentos de sua passagem por São Paulo uma geringonça que faz o povo estropiado das pernas ficar em pé e até dar umas voltinhas.

Ao contrário de me comover, a papagaiada midiática protagonizada pela moça, que rendeu fotografias bonitas, provocou em mim um desconforto e levou o debate da inclusão para um nível de retrocesso que eu pensava já ter sido superado. Ainda não se compreendeu que as pessoas podem viver muito bem em sua condição de cadeirante, de cego, de surdo, de autista, de anão.

Lais, diante da realidade das pessoas com deficiência no Brasil, tem privilégios de magnatas: direito a uma pensão integral paga pelo contribuinte —o que considero justo—, um cuidador atencioso que topa carregar até fogo por ela, acesso a tratamentos supostamente revolucionários nos Estados Unidos e apoio popular irrestrito à evolução de sua condição de tetraplegia.

Quando Lais desfila em pé, atada por fivelas, olhando para os mortais “malacabados” por cima, mesmo que inconscientemente, ela passa mensagens que não casam com as batalhas da diversidade: “Aqui de cima é bem mais legal”, “Se esforce, que você volta a andar”, “Tudo vale a pena para ser igual aos outros”.

Equipamentos de acessibilidade, como a cadeira de rodas que possibilita ficar em pé com treino e supervisão de especialistas, servem para melhorar enroscos cotidianos de uma deficiência. São úteis para reduzir entraves provocados por perdas, não para substituir uma realidade torta por uma novinha, normal.

Ficar em pé naquele instrumento pode ajudar na circulação do sangue pelo corpo, pode melhorar o equilíbrio, serve para apanhar objetos mais altos e até para fazer pequenos deslocamentos. Tudo isso melhora a qualidade de vida. A meu ver, a cadeira não serve para saracotear diante do público, carregando um símbolo universal, transmitindo nas entrelinhas uma mensagem vã de esperança que mais atrapalha do que agrega.

Andar amarrado em uma máquina não é prioridade para milhares de lesados medulares que perdem movimentos de braços, de pernas e até do pescoço. Avanço bom é aquele, ainda fomentado pela ciência, que vai melhorar a sensibilidade, que poderá retomar funções fisiológicas afetadas, que vai possibilitar que se trabalhe melhor, que se viva em sociedade com mais autonomia e que o relacionamento com o outro tenha menos obstáculos.

A criação de uma identidade respeitada passa pela valorização da condição que se tem —seja ela qual for—, solidifica-se com representações adequadas e afirma-se com protagonismo sem disfarces ou subterfúgios.

De lembrança da tocha, vou guardar a imagem do atleta cadeirante da canoagem Fernando Fernandes, que recebeu de Lais o símbolo e deu a ele a legitimidade da persistência e da ardência da coragem de seguir em frente fazendo, de quebra, um discurso enaltecedor do valor do esporte paraolímpico.

Em tempo: vou descansar a beleza por algumas semanas. Saio em férias! Volto em setembro se Zeus quiser.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Curiosidade e delicadeza






Em uma entrevista histórica conduzida por Clarice Lispector com o gênio Vinicius de Moraes, em 1979, o poeta surpreende o ritmo da conversa soltando a frase:”Tenho tanta ternura pela sua mão queimada”.

O que poderia ser oportunidade para sanar uma curiosidade ou alguma inquietação sobre as marcas da escritora, que anos antes havia se ferido em várias partes do corpo durante um incêndio em seu apartamento, tornou-se delicadeza e lirismo.

Poucos nascem com o espírito da leveza do poetinha, mas tentar ser menos cruel com aqueles que se apresentam curiosos, exóticos ou feios aos olhos da normalidade contribui de maneira determinante para encorajar o dia seguinte.

Quem mais se prejudica com o fuzilamento do olho torto, do olho inquieto à procura do defeito, do malfeito, do “malacabado” é a criança. Nenhum pequeno quer ser protagonista de suas deformidades ou diferenças em um tempo cuja preocupação deveria ser o brincar, o aprender as cores do arco-íris e a compreender que estar vivo é “maraviwonderful”.

A questão não é somente evitar a mirada inconveniente para aquele menino com uma síndrome rara e de aparência inusitada. O que tem potencial de construir positivamente cidadania diante da diversidade é a compreensão após a mera curiosidade. Mais do que educado, o olhar precisa ser ampliado, sofisticado, evoluído.

Esse processo começa, inclusive, dentro de casa, com pais, mães, irmãos e agregados deixando as perturbações do que parece estranho em seu ente querido para dar espaço ao que se entende por força de família: o amor acima de qualquer coisa, o encorajamento para enfrentar a rua, o apoio incondicional para se afirmar diante de seu ineditismo potencialmente desconcertante.

Uma experiência concreta disso está narrada na ótima obra recém-lançada da cantora Olívia Byington, “O Que é Que Ele Tem”, em que conta a trajetória de dores e conquistas de ter um filho –João, hoje com 35 anos– nascido longe do lugar-comum do bebê fofo e encantador e que cresceu guardando uma aparência incomum.

Penso ser legítimo perguntar a razão de um menino ir à escola levando um respirador ou por que a menina tem a pele escamosa, mas sanar a dúvida e acalmar a ânsia imaginativa não pode se esgotar em si só. Como se brinca com esses meninos? Como posso ser amigo deles? O que eles podem me ensinar e o que podem aprender?

Geralmente, experimenta-se apenas a curiosidade, seguida de um afastamento aterrador e doloroso, quando não a exposição do puro sabor do preconceito, o que forma adultos angustiados, temerosos, refugiados em si mesmos.

A humanidade sabe ser cruel para defender a imobilidade de sua representação tida como mais bonitinha: branca, elegante, esguia, completa fisicamente, absolutamente incompleta em caráter.

Mas o tempo em que o “anormal” vai ocupar seus espaços como o “novo normal”, mesmo que seja à custa de muito embaraço e incompreensão, está chegando e se instalando em vários campos sociais –se não houver esse movimento perto de você, preocupe-se, pois seu mundo parou! Ganha mais quem acolhe, compreende e poetiza a diversidade.

terça-feira, 5 de julho de 2016

Xbox vai permitir criar avatar cadeirante


Phil Spencer, da Microsoft, revelou que em breve os jogadores poderão criar avatares cadeirantes para o Xbox Live. O executivo anunciou no Twitter a o novo recurso de representatividade.
Logo após Mike Yabarra, diretor de Gestão de Programas do Xbox, postou uma imagem na mesma rede mostrando como os avatares ficariam.
Alguns sites, como o Yahoo e o Second Life, já permitiam a criação de avatares cadeirantes. Ainda assim, é importante a preocupação da Microsoft em trazer essa representatividade também para o mundo dos games.

Os executivos da marca não informaram quando a atualização estará disponível para todos os usuários, mas acredita-se que algumas mudanças possam surgir em agosto com o lançamento do Xbox One S.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

SER CEGO ( Por Silvio Souza*)



Todos dizem que sou cego
Pois me vêem tatear
Mas nem sabem quanto “enxergo”
Do que não posso contar

Algumas coisas não “vejo”
Isso não posso negar
Mas aproveitando o ensejo
Convém agora explicar:

Que pena, não vejo o sol
Se esconder no horizonte
Que encanta com o arrebol
Ou surge por trás do monte

Não vejo as tão belas rosas
Que me dariam prazer
E as muitas coisas penosas
Até prefiro não ver

Não vejo a poluição
No céu cinzento e sem brilho
Nem o rosto de aflição
Da mãe a chorar seu filho

E as cenas da violência
Por muitos apreciadas
Mostradas com insistência
Que bom que não vejo nada

Mas vejo a sinceridade
Do amigo mais que um irmão
Numa pequena bondade
Com olhos do coração.


*Silvio Souza
Poeta da Casa do Poeta Lampião de Gás de São Paulo
Registrado no EDA - Escritório de Direitos Autorais
Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro – RJ
silviofadesouza@gmail.com

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Alunos do ITA desenvolvem tablet adaptado para deficientes visuais


Textos poderão ser sentidos por meio da leitura em braile.
Previsão é que o tablet tenha preço acessível em torno de R$ 600.

Dois estudantes do Instituto Tecnológico Aeronáutico (ITA) de São José dos Campos (SP) estão desenvolvendo um tablet adaptado para deficientes visuais. A ideia dos alunos é que o aparelho tenha preço acessível na comparação com outras opções do mercado.
“A principal funcionalidade vai ser o digital e a partir dele vamos implementar para conseguir estruturar  coisas em cima dele”, explicou o estudante de engenharia da computação Fábio Martins Fernandes, um dos criadores do projeto.
Um tablet de mercado para deficientes custa em média R$ 10 mil. A expectativa é que este seja fabricado com valores mais acessíveis, em torno de R$ 600. O aparelho está na fase final do desenvolvimento e deve começar a ser vendido ainda neste ano.
O projeto pode ajudar pessoas como a Vitória Mayuki, 12 anos, que é cega. Ela tem a ajuda da estagiária de pedagogia Sandra de Fátima para estudar no mesmo ritmo dos outros alunos.

“Eu sou escrevente, sempre estou escrevendo, perguntando se ela entende, se não entende, ela me questiona, questiona também os professores. Quando ela não entende, eu procuro tentar entrar no mundo dela, com os auxílios que eu tenho ao meu redor pra fazer com que ela possa entender", disse a estagiária.
Por causa da deficiência, Vitória aprendeu a transformar as letras que enxergamos em letras que os cegos sentem, no toque dos dedos. Além de ler, ela escreve na maquininha que produz textos em braile. “Mas uma vez, no celular tentei pesquisar o que é dengue, desativei a voz deixei a tela toda escura", disse Vitória - que com o tablet dos alunos espera poder navegar na web.